Incerteza. É uma palavra assustadora.

Viver com ela, pendendo sobre sua cabeça como a espada de Dâmocles, no dia a dia é o suficiente para levar alguém a um estado de ansiedade, medo e paralisia.

Goste ou não, a incerteza é o novo normal. Vivemos em uma época onde o mundo está em um fluxo constante. E isso não é tudo. Se você quiser viver uma vida que não seja apenas vendo o tempo passar, constantemente criar arte, novas experiências, negócios e viver uma vida que realmente vale a pena, você terá que ativamente procurar, atrair e amplificar a incerteza. Porque do outro lado da incerteza estão as oportunidades

Nada que valesse a pena foi criado enquanto se esperava que alguém aparece para dizer que tudo iria ficar bem ou que a informação perfeita iria cair do céu. Não funciona desse jeito. Um trabalho brilhante requer que você aja em face da incerteza, que você vivencie a situação tempo suficiente para que o seu potencial possa surgir. Não tem como evitar isso.

Quando você tiver força para agir em face da incerteza, você andará no território de gênios.

O problema é que isso acaba com a maioria das pessoas. Isso leva a um mal estar, ansiedade, medo e dúvida de uma forma que acaba com os empreendimentos mais brilhantes e potencialmente revolucionários antes mesmo deles conhecerem a luz do dia. Não porque eles não sucederiam, mas sim porque você nunca se equipou para lidar ou até mesmo aproveitar a energia emocional ao longo da jornada.

Mas, e se não tivesse quer ser assim? E se fosse diferente?

E se existisse uma forma de transformar o medo, a ansiedade e a dúvida que surgem diante das incertezas em incentivo para alcançar um novo patamar?

E existe. Sua habilidade de lidar com o desconhecido nada tem a ver com sorte ou genética, pelo contrário, é algo que pode ser praticado. Eu passei os últimos anos entrevistando empreendedores de alto impacto de diferentes campos do conhecimento, colhendo dados sobre neurociência, teoria da decisão, psicologia, criatividade e negócios.

Através desse trabalho, uma série de padrões, práticas e estratégias surgiram, e elas não só aceleram a criatividade, os insights, a inovação e a capacidade de resolver problemas, mas também se mostraram capazes de amenizar aquele desconforto associado com a busca de objetivos criativos.

Abaixo estão 5 estratégias para te ajudar a seguir em frente mesmo em face da incerteza, do medo e da dúvida:

Reveja

Ficamos o dia inteiro inventando histórias sobre nós mesmos. Sou magro. Sou gordo. Sou talentoso. Sou estúpido. Isso é genial. Isso é esquisito. Vou vencer. Vou falhar. Estou assustado e ansioso. Sou confiante e proativo. Acontece que as histórias que contamos sobre uma circunstância particular são mais determinantes para o sucesso do que as circunstâncias em si. Elas afetam não só a nossa capacidade de agir, mas também a qualidade das nossas ideias e soluções.

Se você cria histórias que fortalecem suas ações, ótimo. Infelizmente, nosso cérebro tem uma forte tendência para o negativismo, nos levando a criar histórias, que, mesmo diante de circunstâncias que requerem atitudes, nos paralisam e abalam nossa criatividade ao invés de nos incentivar a agir.

*Reframe é um processo que pede para você suspender suas histórias negativas e explorar essa história através de outro ponto de vista, esse é o único ponto de vista? Se não for – e normalmente não é – construa novas histórias que te ajudem a experimentar essa circunstância incerta não sob a ótica da falha ou da inação, mas sim sob o sinal da oportunidade e do significado.

Por exemplo, se você está criando um enredo em torno da possibilidade de falhar, ao invés de apenas perguntar “e se eu falhar?”, e pensar em uma situação caótica, você também pode pensar “Como vou me recompor? E se eu não fizer nada? E se eu tiver êxito?”. Dessa forma, construa novas histórias acerca dessas novas perguntas.

Pratique atenção. (Mindfulness)

Reframing é uma ferramenta poderosa na jornada que leva ao desconhecido. Mas também requer serenidade; a habilidade de dar um passo para trás e ver o que realmente está acontecendo, voltar ao centro e, então, caminhar rumo ao desconhecido tempo bastante para que as coisas fantásticas possam acontecer. Com o tempo, a prática da atenção, do estar “presente” te leva a se adaptar e fazer exatamente isso.

Além disso, ajuda a cultivar uma base sólida para viver e agir de maneira muito mais prazerosa, e também te prepara para abrir mão daqueles pensamentos negativos e limitantes.

Exercite o seu cérebro.

Todos nós já vimos pesquisas sobre como os exercícios podem melhorar a saúde e a perda de peso pode prevenir doenças. Mas, você sabia que certos exercícios também tem um profundo impacto no cérebro?

A prática diária de exercícios cardiovasculares, especialmente aqueles alternados com períodos intensos, podem melhorar o ânimo, a capacidade de execução, tomada de decisões e a criatividade, bem como diminuir a ansiedade e o medo. Pesquisas recentes demonstram a possibilidade de exercícios regenerarem ou levar à produção de novas células cerebrais, algo impensável há poucos anos atrás.

Uma tarefa de cada vez.

Multitarefa já era. Ao que tudo indica, as medalhas de honra oferecidas nos anos 90 à capacidade de realizar múltiplas tarefas não valeram a pena. Nossos cérebros não funcionam assim, eles apenas mudam rapidamente de tarefa, as vezes rápido demais que nos fazem acreditar que estamos fazendo mais de uma coisa ao mesmo tempo. O problema é que toda vez que trocamos de tarefa perdemos o foco, nosso cérebro pode demorar desde alguns segundos até uns 15 minutos para funcionar a todo vapor novamente. Isso nos faz sentir extremamente ocupados, e, simultaneamente, diminui a produtividade, a criatividade e dá uma sensação de ansiedade e stress.

Multitarefa também requer que seu cérebro retenha muita informação, o que é controlado por uma parte conhecido por córtex pré-frontal (CPF). Mas, o CPF também é o responsável pela força de vontade e por manter o medo e a ansiedade no lugar. Multitarefas aumentam o “carregamento” do CPF, oprimindo-o e prejudicando sua habilidade de manter o medo, a ansiedade e a o foco sob controle.

Solução simples: aprenda a dizer não. Faça uma coisa de cada vez durante períodos curtos e intensos.

Adote o *Lean.

Ao invés de criar algo complexo, explore a possibilidade de adotar o “lean” e uma pegada ágil no seu processo criativo. Foque em maximizar o aprendizado, crie a versão mais simples possível da sua ideia, então, traga as pessoas que provavelmente adotariam ela e veja o que acontece, aprenda através de cada interação. Isso economiza tempo e muda a forma de se encarar a criação, pois soma mais certeza durante os processos iniciais e encoraja ações consistentes.

Essas cinco estratégias podem mudar de forma significativa a maneira como você encara seu processo criativo. Elas não vão apenas possibilitar que você utilize sua reserva de criatividade escondida, como também vão permitir que você encare seus empreendimentos com mais serenidade e prazer.

Nota do editor: Este artigo foi escrito por Jonathan Fields, autor do livro Uncertainty: Turning Fear and Doubt Into Fuel for Brilliance. Retirado do blog zenhabits e traduzido por Aécio Neto.

*Reframe – ver sobre outro ponto de vista, não achei uma única palavra que significasse isso.

*Lean – é uma filosofia de negócios que preza pelo essencial, no qual um empreendimento deve realizar aquilo que é estritamente necessário.