Estamos apaixonados com coisas – comprar, adquirir, possuir, colecionar.

Vamos cobiçar a vida como alternativa.

Nossa obsessão com coisas tem se tornado doentia. Quando temos um vazio nas nossas vidas, compramos coisas. Quando temos problemas, compramos coisas. E essas coisas estão se tornando cada vez mais caras, maiores, chamativas e… mais um desperdício.

Essa obsessão com coisas leva-nos a possuir um monte de tranqueiras…. e mesmo assim, essas coisas não enchem a nossa vida de significado.

Isso leva a uma dívida profunda, de tanto comprar, precisamos de casas e lugares maiores para colocar tudo. Financeiramente estamos piores do que nunca, por conta dessa obsessão material.

Compramos coisas quando estamos deprimidos e compramos coisas para mostrar às pessoas o quanto a amamos… e, dessa forma, as coisas nos tem impedido de lidar com as nossas emoções, nos impossibilitando de nos conectar verdadeiramente com os outros.

Vamos substituir essa obsessão com coisas por uma obsessão pela vida.

Algumas dicas:

Redescubra a paixão pela vida – Saia e sinta a natureza, aprecie a beleza do mundo que o cerca. Mantenha-se ativo, trabalhe no jardim da sua casa, pratique um esporte, saia para uma caminhada, faça uma escalada, vá nadar, ande de bicicleta. Sinta a vida através de você.

Dê experiências como presentes e não coisas – Ao invés de comprar presentes de aniversário ou natal, pense numa experiência que você pode proporcionar. Uma passeio com você, fazer algo divertido, passear, cozinhar, tocar um instrumento, conversar, explorar. Um momento divertido no parque ou na praia. Algo além do dia a dia comum. Uma experiência é mais significativo do que um objeto.

Conecte-se com os outros – Na vida real. Se não tem saído com um amigo recentemente, dê uma ligada e vá passear juntos. Tire seus filhos da frente da Tv ou do video game e leve-os pra brincar e fazer algo lá fora. Vá passear com seu companheiro(a). Visite sua mãe ou seus avôs. E esteja presente enquanto está com eles – ouça atentamente, esteja realmente lá.

Lide com as suas emoções – Se você tem necessidade de comprar algo quando tem dificuldades emocionais, fique mais alerta acerca disso. Então, comece a lidar com essas emoções escondidas, ao invés de usar as compras pra esquecer esses sentimentos. Se está depressivo, ansioso ou se sentindo sozinho, lide com isso. Encontre soluções e descubra o que está causando isso. Boas notícias: experimentar a vida, manter-se ativo e conectar com os outros, tudo isso ajuda a lidar com problemas emocionais.

Desconecte-se seu apego das coisas – As vezes me encontro relutante em doar algo, mesmo que eu nunca use. E aí me pergunto “Porque?”, o que está me impedindo de abrir mão desse negócio? Algumas vezes esse objeto tem um valor emocional, mas daí eu percebo que é apenas um objeto, não tem a ver com a emoção e nem é uma fonte de emoções. Depois, tiro uma foto, coloco no meu computar e faço uma doação. Me sinto livre, porque quebrei o meu apego de um objeto físico (mas salvei a memória). Se você se encontra apegado a algo material, descubra o porque – pois isso não é saudável no longo prazo.

Perceba que a vida, e não as coisas, é o que interessa. Objetos são apenas objetos – se você os perder, se isso for roubado ou destruído… não tem nada demais. São apenas objetos – não a sua vida. Sua vida é uma série de momentos que está passando pela sua consciência agora mesmo, e como você usa esses momentos e com o que os completa é o que interessa, e não com o que você decora sua casa. No fim dessa curta jornada, você vai olhar pra trás e lembrar das suas experiências, das pessoas que amou e que te amaram de volta, das coisas que fez e deixou de fazer. E não das coisas que você teve.



Artigo retirado do blog Zen Habits, escrito por Leo Babauta. Traduzido por Aécio Neto.